sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Smart Cities na Campus Party MG


A 2ª edição da Campus Party Minas Gerais aconteceu concomitantemente com a FINIT - Feira Internacional de Negócios Inovação e Tecnologia no Expominas em Belo Horizonte e contou com a participação do Prof. Dr. Hélio Lemes, da Unifal-MG.

O professor foi convidado a falar sobre startups e empreendedorismo e suas relações com as cidades inteligentes (ou smart cities). Cidades mais inteligentes precisam de startups mais espertas. Novas tecnologias têm criado ambientes melhores para a vida em comunidade. A cidade, o principal ambiente do nosso convívio, tem problemas de mobilidade, segurança, saúde, educação, limpeza e outros que podem ser resolvidos ou amenizados com aplicação de soluções baseadas em tecnologias inovadoras, que surgiram há poucos anos ou meses.

Há um enorme potencial de inovação e empreendedorismo para quem quer solucionar os problemas da vida nas cidades. A sua startup está atenta a esse potencial e pronta para aproveitar essas oportunidades? Descubra assistindo o vídeo da palestra Smart Startups for Smart Cities.

A Campus Party cada vez mais se consolida como um dos eventos mais importantes de tecnologia do mundo e já tem inscrições abertas para a sua maior edição nacional, que acontece no final de janeiro no Anhembi, em São Paulo.






terça-feira, 14 de novembro de 2017

Aprendendo a Aprender na Unifal


Hoje, 14 de novembro de 2017, aconteceu o encerramento do projeto Aprendendo a Aprender, que é organizado por alunos da graduação da Unifal, no campus Varginha. 

Os alunos do Instituto de Ciências Sociais Aplicadas, participam do PET-BICE, Programa de Educação Tutorial e organizam um curso preparatório para o ENEM - Exame Nacional do Ensino Médio, oferecido a estudantes do ensino médio de escolas públicas de Varginha. 

Para o encerramento do projeto de 2017,a aluna do 6° período do Bacharelado Interdisciplinar em Ciência e Economia, Letícia Lopes, convidou o Prof. Hélio Lemes para fazer uma palestra sobre oratória, preparando os estudantes para a vida acadêmica e profissional. 

Na selfie acima os alunos, com os integrantes do PET-BICE e o palestrante da noite participando do encerramento do projeto, que teve duração de oito meses.

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Falando na FINIT sobre o mundo do trabalho


Entre 31 de outubro e 4 de novembro, Belo Horizonte recebeu a segunda edição da FINIT (Feira Internacional de Negócios, Inovação e Tecnologia), no Expominas. O evento reuniu, em um só lugar, grandes e consolidados eventos e um público bem diverso: startups, grandes empresas, estudantes, pesquisadores, profissionais da área de tecnologia e interessados nas temáticas abordadas.

Um dos espaços da FINIT foi a Arena de Negócios, onde os ecossistemas locais inovação de Minas Gerais levaram conteúdos do interior do estado para troca de informações e experiências com os integrantes de outros ecossistemas na capital.

O Prof. Hélio Lemes, da Unifal-MG, foi convidado pela comunidade Coffee Valley de Varginha para se apresentar no palco da Arena de Negócios com a palestra: Hackeando o Mundo do Trabalho.

O professor falou sobre as transformações nas relações de trabalho, principalmente na área de tecnologia e nas startups, afinal o mundo do trabalho nos mudou ou fomos nós que o mudamos? Onde está o emprego estável, as regras claras, horários fixos e a garantia de que tudo permanecerá como está? Finalizou apresentando uma análise de como sobreviver às mudanças no ambiente de trabalho da geração Y e fazendo recomendações para se manter relevante profissionalmente.






sábado, 28 de outubro de 2017

Presença no Tedx Itajubá

Abertura artística do Tedx Itajubá, no dia 27 de outubro

O Tedx Itajubá aconteceu após intensa preparação do CEU - Centro de Empreendedorismo da Universidade Federal de Itajubá e com o apoio do Sebrae, da Fapemig, da Prefeitura de Itajubá dentre outros.

Em um teatro lotado com quase 800 pessoas foram apresentadas oito palestras sobre temas diversos, mas associados entre si, como medicina, astronomia, física, biologia, tecnologia, etc. O fio condutor foi a Ciência e cada apresentação destacou sua relevância para a Sociedade.

Com o palestrante Bruno Nupesc, pesquisador na área de Astrobiologia

O Prof. Dr. Hélio Lemes esteve presente no evento em busca de estabelecer novos contatos com cientistas para possíveis interações de pesquisa e aproximação institucional entre centros de ciência e tecnologia.

Veja um vídeo resumido dos temas tratados no TedxItajubá. Os vídeos das palestras completas devem ser publicadas em breve no site do TED.

Fetin: Feira Tecnológica do Inatel em sua 36ª edição

A Fetin - Feira Tecnológica do Inatel é a maior feira de tecnologia que acontece no interior de Minas Gerais. Em outubro de 2017 aconteceu a 36º edição desta tradicional feira que apresenta projetos tecnológicos, desenvolvidos por professores e alunos do Inatel e que atrai público de diversos lugares do país, em busca de aprendizado e oportunidades de negócios.

O Prof. Hélio Lemes esteve presente na feira com objetivo de explorar as inovações tecnológicas lá apresentadas, pois há diversas iniciativas referentes à Internet da Coisas - IoT (Internet of Things), uma tendência tecnológica recente que está diretamente relacionada com os interesses de pesquisa do professor na Unifal, que são as cidades mais inteligentes.

Crianças visitando e se divertindo no espaço maker da 36ª Fetin

A feira teve duração de três dias e recebeu milhares de visitantes de diversos segmentos da sociedade: professores, pesquisadores, empresários, investidores e principalmente estudantes e muitas crianças curiosss pelas inovações em eletrônica, telecomunicações, robótica e afins.  

Fetin 2017 Inatel #theta360 - Spherical Image - RICOH THETA

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Ciência de Boteco

Nos dias 24 e 26 de outubro passados o CEU - Centro de Empreendedorismo da Universidade Federal de Itajubá realizou a 1ª edição do Ciência de Boteco. Foram duas noites regadas a cerveja e ciência! O evento fez parte do calendário da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia.


O evento segue o modelo do Pint of Science, um festival internacional de divulgação científica que nasceu na Inglaterra em 2013. No Brasil, em 2015 apenas a cidade de São Carlos participou do evento, já em 2016 foram sete cidades e Belo Horizonte foi a primeira cidade mineira a participar. O festival cresce rapidamente e em 2017 foram 22 cidades no Brasil.

O projeto tem objetivo de divulgação científica e de aproximar as pessoas dos cientistas, em diversas áreas do conhecimento, para que todos tenham a chance de perguntar aos especialistas de verdade aquelas coisas que você viu nos filmes e ficou morrendo de curiosidade pra saber se eram verdades.

O Ciência de Boteco é um projeto piloto para preparação na participação do Pint of Science e o Prof. Hélio Lemes da Unifal, esteve presente no intuito de trazer o aprendizado necessário para realizar eventos nos mesmos moldes no campus de Varginha da universidade.

No Mineiro Chacutaria, no dia 26 de outubro estiveram Bruno Nupesc falando sobre Astrobiologia e Angelita Gomes falando sobre tecnologia para potencializar talentos.

Em Itajubá foram 2 dias, 4 bares, 8 cientistas e pesquisadores falando sobre o Universo, a Vida, comunicação ótica, radiação. Espere novidades para o evento de Varginha no primeiro semestre de 2018. Em breve serão publicadas mais novidades neste blog e na imprensa local.




Ciência de Boteco Itajubá #theta360 - Spherical Image - RICOH THETA

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Netflix e Spotify são serviços?

Recentemente o Prof. Hélio Lemes foi consultado sobre a classificação dos serviços de stremaing de áudio e vídeo e concedeu a entrevista que se segue para as estudantes de Ciências Contábeis da Faceca, Rafaela Pereira, Alaís Reis e  Aryane Lourenzoni. Elas são alunas do Prof. Flávio Ricetto, matriculadas no 8° Período.

1) O streaming é uma tecnologia relativamente nova e de difícil conceituação, por se tratar de um termo estrangeiro. Como você conceitua o streaming?

Hélio: Na verdade, o streaming segue o mesmo conceito que a transmissão broadcast (difusão de um para muitos), assim como a transmissão de TV e do rádio. A diferença é que cada pessoa pode escolher o que quer ouvir/assistir e não é preciso seguir uma programação única. Portanto, ao mesmo tempo que é broadcast, é também semelhante a pegar um livro na biblioteca, pois você escolhe o que quer em um catálogo e consome o conteúdo na hora e no ritmo que quiser, como se lesse um livro. Diria então que o streaming é a mistura destes dois formatos de consumo, mas não passa de uma forma de disponibilizar conteúdo para ser consumido pelos clientes (pagantes ou não).

2) Acredita que ele se enquadra como uma prestação de serviços? Por quê?

Hélio: Sim. Por analogia e por eliminação, podemos dizer definitivamente que não é o fornecimento de um bem ou produto, pois, quando você paga para consumir o conteúdo, você não adquire o direito absoluto sobre ele. O direito continua sendo do autor e seus representantes. Você, na verdade está comprando o direito de ter acesso àquele conteúdo, assim como o faz quando compra um livro. Você compra o livro (o papel), mas não a obra que está nele registrada, por isso mesmo que você tenha comprado o direito de lê-lo, você não pode produzir um filme sobre a história ali contida, porque a obra continua sendo do autor. Se você não comprou o bem/produto, mas está se beneficiando dele, o serviço de streaming é o intermediário que lhe vende o acesso àquela obra do autor, portanto, um prestador de serviço.

3) É possível afirmar que empresas como a Netflix sejam concorrentes diretas de TV por assinatura, por exemplo? Por quê?

Hélio: Sim. Na prática, basta ver os números decrescentes de assinantes de TVs por assinatura, simultaneamente aos números crescentes de assinantes de streaming. O mesmo acontecendo com o rádio. A audiência vem caindo enquanto as pessoas estão ouvindo música por streaming, nos carros, comércios e em casa.

4) Com o aumento no número de usuários no país, o Spotify pode estar fazendo com que os outros meios de transmissão de áudio percam espaço?

Hélio: Sim. Isso já está acontecendo, porém não é o fim do rádio, apenas uma diversificação de opções que reduzirá a importância do rádio no curto prazo, caso o rádio não se reinvente. Hoje as pessoas estão ouvindo Spotify, mas se o conteúdo do rádio for mais interessante do que apenas uma playlist, as pessoas vão optar por ouvir o rádio via streaming. Para sobreviver o rádio terá que se reinventar mais uma vez, pois isso aconteceu com o lançamento da fita cassete, do CD, etc. Não duvido também que serviços como Spotify passem a transmitir canais de rádio no futuro, diversifica o seu catálogo de opções.

Link interessante: Android Auto e CarPlay causam redução na audiência de rádio